B I O G R A F I A

Natural de Sorocaba - SP, Evandro Rodriguese é regente de orquestra, compositor, arranjador, gestor e produtor musical.​

 

​É idealizador e diretor musical da Atlantis Opera Orchestra, dedicada à produções completas de ópera, da Sapucaia Ensemble, orquestra de câmara, Imperial Filarmônica do Brasil, no Rio de Janeiro, e regente titular da Orquestra Jovem de Niterói, RJ.

 

​Apresenta-se com regularidade em teatros e salas de concerto tais como, Teatro São Pedro (SP), Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Teatro Municipal de Niterói, Teatro Popular de Niterói, Cidade das Artes (RJ), Teatro João Caetano (RJ), Teatro Guaíra (PR) e Teatro Santa Isabel (PE).

 

​Atuou à frente da Orquestra Nacional de Sopros e Orquestra da Costa Atlântica, ambas em Portugal, no Brasil, Orquestra Sinfônica Heliópolis, Orquestra Bachiana Jovem, Orquestra Sinfônica de Barra Mansa, Orquestra da Academia Claude Brendel. 

 

Foi regente assistente da Orquestra Filarmônica Jovem de Sorocaba e colaborou em diversos concertos à frente da Orquestra de Câmara L’Estro Armonico, em São Paulo.

 

​Já dividiu o palco com grandes artistas da música popular como Carlos Dafé, Cristóvão Bastos, Donatinho, Don Betto, Fernanda Abreu, Renato Bellini, Sérgio Chiavazzoli, Silvério Pontes, Tiago do Bandolim, Zé Renato, e cantores líricos como Carla Rizzi, Carolina Faria, Chiara Santoro, Daruã Góes, Fernando Portari, Loren Vandal, Magda Belloti, Manuel Álvares, Marina Considera, Rafael Siano, entre outros.

 

​​Em Março de 2018, à frente da Atlantis Opera Orchestra, realizou a primeira ópera na Cidade das Artes, La Serva Padrona, de Pergolesi, e posteriormente, Bastien und Bastienne, de Mozart, numa montagem pioneira, ambientada no Brasil do início do século XIX, com projeção de legenda bilingue e um intérprete de LIBRAS ao vivo. Ambas, com grande elenco e sucesso de público. Em Dezembro de 2017, no Rio de Janeiro, regeu a ópera Gianni Schicchi, de Puccini, com direção cênica de Manoel Thomas.

 

​Em Maio de 2017, participou do filme-documentário, OSA - O Filme, da Orquestra Sinfônica Aprendiz, sob direção de Gian Ciminelli. Produção do IMMUB - Instituto Memória Musical Brasileira e patrocínio do Instituto CCR. Nesse mesmo ano, regeu a OSA no espetáculo, Choros e Valsas - Um tributo a Pixinguinha, com a Cia de Ballet de Niterói, e coreografia de Rodrigo Negri, no TMRJ e Grande Sala na Cidade das Artes, ambas com grande sucesso de público.

 

​​Em 2012, suas habilidades técnicas foram evidenciadas onde dirigiu a ópera Maria Tudor, de Carlos Gomes, e com grandes elogios da crítica especializada, estando entre os 10 melhores espetáculos do ano e também na série de concertos da Finep – RJ, em que realizou a direção musical na ópera Norma, de Bellini, considerado também um dos 10 melhores espetáculos musicais de 2011.

 

​Em seu repertório, sobressai a direção e a regência do coro da Cia. Lírica do Rio de Janeiro, com produções, em 2011, das versões reduzidas de Attila e La Traviata, de G. Verdi, e Madama Butterfly. de G. Puccini.

 

​​Como regente do Coro Masculino CBA - Grupo Votorantim, venceu o 1° lugar no Concurso Nacional de Corais de Serra Negra e 2° lugar no Mapa Cultural Paulista, ambos em 2009.

 

​Dentre um de seus projetos de maior simpatia, se destaca a Imperial Filarmônica do Brasil. Um projeto com o objetivo maior de resgate histórico, cultural e de pesquisa sobre a obra de compositores da época do Império do Brasil, dentre eles, o próprio Imperador Pedro I, e de ser também uma ferramenta de valorização dos heróis nacionais através da música. Em 2018, produziram um vídeo com o Hino da Coroação de Dom Pedro II, para a anexar à estréia norte americana do filme documentário, “Bonifácio: O fundador do Brasil” de Mauro Ventura, e em 2019, realizaram um vídeo em homenagem à Princesa Isabel, e a todos os que lutaram pela libertação dos escravizados no Brasil, com o Coral da ópera Nabucco, de Verdi, “Va, Pensiero!”.

 

No Brasil, é formado em Regência Orquestral pela FASM - Faculdade Santa Marcelina - São Paulo, na classe de regência do maestro Emiliano Patarra.

 

Paralelamente à faculdade, participou do grupo de estudos avançados em regência orquestral com o maestro Roberto Tibiriçá (São Paulo) e, posteriormente, participou como aluno executante nas masterclasses de regência orquestral com o maestro Isaac Karabtchevsky, na Mostra Internacional de Música em Olinda - MIMO (Recife - 2009, 2010, 2011 e 2014). Participou de vários outros festivais e cursos com grandes maestros como Abel Rocha (BR), Claude Brendel (FR), Marin Alsop (USA), Lutero Rodrigues (BR), Ricardo Rocha (BR), Daniel Hansson (SWE).

​Em 2015, concluiu o curso superior em direção de orquestra na ATLANTIC COAST ORCHESTRA International Conducting Academy, em Portugal, participando de masterclass e aulas regulares com os maestros Colin Metters (UK), Luis Miguel Clemente (PT), Roberto Fiore (IT) e Jaime Branco (PT).

​Tem destacada experiência como gestor na área cultural, com 7 anos de experiência à frente da Kether Arts Soluções Culturais, já produziu dezenas de espetáculos como óperas, concertos sinfônicos, música de câmara, shows e teatros musicais, todos com grande sucesso de público, crítica e mídia, além de produzir e gerir cursos e masterclasses.